A bicicleta é um excelente meio de transporte, especialmente por suas características relacionadas com a sustentabilidade: não polui e ajuda a manter a boa forma.

bicicleta-feita-a-partir-de-garrafa-pet-eco-friendly-muzzicycles-blog-usenaturezaPor o outro lado, as embalagens PET são um grande problema para as sociedades modernas: cada garrafa leva 10.000 anos para se decompor e hoje, com a quantidade de produtos embalados, há milhões de garrafas jogadas por todo o mundo. Muzzicycles é uma empresa brasileira que uniu essas duas questões em um projeto que usa 200 embalagens de garrafas PET para produzir uma bicicleta.bicicleta-feita-a-partir-de-garrafa-pet-eco-friendly-blog-usenaturezaJuan Muzzi, artista uruguaio foi o criador dessa iniciativa de transformar garrafas de plástico bicicletas. As garrafas de plástico começaram a ser usadas no Brasil em 1993. As embalagens PET em poucos anos tornaram-se um material altamente poluente com o grande volume de resíduos gerados e por levarem muitos anos para se decompor. Estes resíduos são alojados em rios e oceanos, e seus componentes afetam a saúde dos animais e dos seres humanos.bicicleta-feita-a-partir-de-garrafa-pet-blog-usenatureza

O projeto desenvolvido pela Muzzicycles trás grandes benefícios como a reutilização de garrafas PET; por ser ecologicamente correto; ser mais barato; não ter ferrugem, ter um design orgânico e confortável. Além disso, ser feita de misturas recicladas de resinas termoplásticas. Autossustentável, extrai menos ferro e minérios e causa menos danos a camada de ozônio.

A empresa brasileira fala desta iniciativa como o “cumprimento de uma utopia”.

 


Apreciar a natureza sempre é um hábito relaxante e renovador. Caminhar pelo parque, por um bosque ou até mesmo em ruas mais calmas é um benefício para a saúde corporal e a mental.

O ar puro das árvores e o barulho das folhas traz uma calmaria que alivia as tensões do dia a dia. E isso não é resultado de pesquisa, pois a vivência com a natureza é comprovada como benéfica há muito tempo.

O florescer das árvores nos relembra que a primavera chegou, que uma vida nova nasce para os próximos meses. Caminhar por ruas inteiramente arborizadas pode ser hipnotizante.

poa, brazilpositano, italywashington dc, usanafplio, peloponnese, greece


Cinturão Verde é um movimento, fundado em 1977, por Wangari Maathai, primeira mulher a receber o Prêmio Nobel da Paz. Conhecido também como “Árvore de Mulher”, o movimento pela defesa do meio ambiente surgiu quando Maathai era membro do Conselho Nacional de Mulheres do Quênia, e descobriu que muitos dos problemas do país foram pela degradação ambiental. Naquela época, ela pediu que as mulheres criassem viveiros de árvores nativas na área, em seguida foram à floresta coletar sementes em troca de dinheiro.Wangari-Maathai-premio-nobelO objetivo final era plantar essas árvores na floresta e possibilitar o trabalho sustentável. O projeto resultou numa Grande Muralha Verde, com 7.000 quilômetros de comprimento e 15km de largura, entre o Oceano Atlântico e o Mar Vermelho. Ela seria capaz de deter o avanço do deserto que atualmente absorve 1,5 milhões de hectares por ano. Hoje, o Movimento tem uma rede de mais de 4.000 grupos da comunidade que plantam árvores, protegendo o meio ambiente e treinando mulheres para que possam gerar renda através da silvicultura e apicultura.cinturao-verde-proteçao-mulheresmovimento-cinturao-verde


Os Daasanach são cerca de 50.000 pessoas de tribo semi-nômade, do sul da Etiópia. Por dependerem também da agricultura, mudaram-se para áreas mais próximas ao rio Omo, onde passam meses coletando tampas de garrafas e vendendo-as para pagar  relógios quebrados, tic-tacs e outras peças descartadas de plástico e metal; que homens e mulheres, jovens e velhos  usam em jóias e perucas.acessorios-reclicados-tribo-etiopiaO fotógrafo francês Eric Lafforgue documentou a cultura Daasanach e como vivem sob a influência de bens manufaturados modernos. Ele contou ao The Daily Mail que, para evitar que os penteados se estraguem, as pessoas dormem com uma espécie de “travesseiro de pescoço” feito de madeira. Os homens usam estes ornamentos até se casarem, quando mudam para penteados de barro decorados com um padrão de arlequim, bem coloridos e finalizados com com uma pena.moda-tribo-etiope-colares-penas-reciclagemmoda-tribo-etiope-colares-penas-reciclagem


...34567...102030...