Imagine um mundo em que todos eram iguais. Nenhum tem mais do que outro. Mas, além disso, nenhum seria pobre. Todos teriam o suficiente para cobrir suas necessidades básicas.

Em adição, o planeta não iria perder, mas ganhar. Será que isso parece impossível? Alguns economistas acreditam que não. Eles defendem um conceito chamado Economia Azul, desenvolvido por Gunter Pauli.

saiba-o-que-e-economia-azul-imitando-a-natureza-blog-usenaturezaO que é a economia azul?

A premissa da economia azul é simples:  imitar a natureza , que é sábia e utiliza os seus recursos perfeitamente, sem desperdício ou desemprego.

O inovador na economia azul é que ele nos faz perceber que nenhum benefício faz sentido se o planeta que será deixado para as gerações futuras não for cuidado.

Por que azul?

O céu é azul, o mar é azul, o nosso planeta é azul: a partir daí vem o nome desta economia que imita a natureza azul.

Segundo Gunter Pauli, o principal dessa corrente, é que a economia atual é incapaz de satisfazer as necessidades básicas de todas as pessoas. Em vez disso, a natureza é perfeitamente capaz de sustentar todos os seres vivos, sem gerar qualquer desperdício.

O principal objetivo da economia azul, portanto, é a biomimética, que visa resolver problemas através da observação e aplicação de soluções a partir da natureza.

Os quatro princípios da economia azul

A economia Azul tem quatro “princípios do oceano”, que são necessários para o sucesso:

– Criar novos espaços de consumo, abrir a mente para além de modelos econômicos convencionais.

– Concentre-se na ideia em vez de números, mas para os economistas mais tradicionais isso parece loucura.

– Indo além da demanda existente: achar uma nova demanda se a antiga não é suficiente.

– Garantir a viabilidade comercial do oceano azul, porque não há mais uma economia.

saiba-o-que-e-economia-azul-imitando-a-natureza-gunter-blog-usenatureza

Em adição, há pelo menos seis características  que devem ter um negócio, projeto ou inovação pensada a partir da economia azul:

– Seja LOCAL (use o que você tem na mão)

– Não use qualquer recurso que não seja essencial

– Ser sistêmica (imitação da natureza)

– Ser rentável (não se esqueça que não deixa de ser a economia)

– Ser abundante (deve atender a todas as necessidades básicas das pessoas)

– Inovação (criação de mudança)

FONTES:

MINCYT (Ministério Da Ciência, Tecnologia E Inovação Produtiva Da Argentina)

A Razão

O Blog Salmão

O Blog Salmão (Sobre A Economia Para O Bem Comum)